29 abril, 2011

A dois

Inúmeras são as facetas do amor.
As vezes, obscuras como o inalcançável universo
É como perde-se no outro
E ganhar em prazer
É como enlouquecer com a doença que diz que é o amar
Numa dessas faces eu me perco, me entrego, me alimento
Delirando sem medo, deixando-me levar por imagens distorcidas
De alguém que acelera minhas pulsações
Que aquieta meu coração, alma que clama
Não peço que somente segure minhas mãos
Quero que me carregue me proteja
Eleve-me, deixando me ver seu brilho, mergulhar no teu espírito
Vou ficando suspenso pelo ar, mal consigo respirar
Tirando-me desse mundo, seduzindo-me com sua voz, com seu olhar efervescente
Vem e causa sensações, esquenta a chama da paixão
Algo sobrenatural, que me faz esquecer quem eu sou
Parecendo que vivo em você
E você vive em mim, o que já é fato certo e irreversível
Quero te dar o mais bonito poema de amor
As melhores palavras, selecionadas com peculiaridade
Perto da lua, desfaleço sozinha
Meus caminhos errantes me distanciam de você
Me levam a abismos que tentam me puxar...
Amor, que outrora era faísca, agora é fogo que consome
Invade o peito, cura a alma
Mas aparece e logo some
Uma trama irreversível
Vivo o drama de não poder te ter
Tentar tocar seu delicado rosto, seus traços perfeitos
Coração partido e vazio
Não resta nada de mim se não houver você
Um sentimento mudo que me emudece ao te ver
Suspenso vou vivendo, buscando um aconchego
Não preciso de muito pra ser feliz
Nem de tantas palavras pra te convencer, talvez um beijo...
Que a vida é passageira, eu assumo
Mas esse meu amor não pode ser
Pra não te perder de vista,
Escondo-me dentro de mim
Mas não há motivos pra fingir
Se quando fico comigo mesmo, só existo com você
Fico totalmente sem aliteração, minhas palavras saem desordenadas, 
Sem rimas, sem sentido, empobrecidas.
Sem você viro aquarela sem cor
Jardim sem flor
É como perder o chão e ainda o tê-lo abaixo dos pés
Se te escrevo é por medo de olhar em seus olhos
E não ver o sentimento recíproco a brilhar
Como é possível viver esse amor com medo de arriscar?
E a sinfonia toca
O pulsar do meu coração ressoa
Como pássaro que canta
Borboleta que voa
Vou me entregando pra você
Sem medo, nem receio
Não preciso me preocupar
Você é meu anjo que me guarda,
Vem e me leva pra voar?
Sou humano, pequeno
Mas minha peculiaridade é o amor
Que gela quando você parte
Mas quando te vê queima com fulgor
Você é força maior, algo surreal
Não existem palavras bonitas
Que possam sequer expressar
A beleza do seu sorriso
A imensidão do seu olhar
Uma estrela cadente, um pedido nada mais
Que você fique aqui pra sempre e ainda assim nunca será demais
Minha canção é o amor
Vou seguir a passarada
Vem comigo anjo meu
Eternizar-nos nessa madrugada
Vem... 



Natália Brito e Alexandre Sampaio


Natália, foi bom escrever com você, foi bom ter suas cobranças...
É sempre bom compartilhar sentimentos com você.
Te amo muito ♥

05 abril, 2011

    As vezes, abro isso aqui e não vejo graça, largo de escrever pra não ferir ninguém. As vezes escrevo propositalmente, pra que saibam o que estou sentido e se importem comigo. Mas nada, nada disso é suficiente pra quebrar esse bloqueio que há em mim. Nada desfaz a carência que eu sinto, a vontade de ter mais e mais pessoas ao meu redor, pra que suma de vez o medo da solidão que me leva, pouco a pouco.