28 dezembro, 2012

Amor de XVIII



Amarelo desejo
Sagrado segredo
Vestido rodado
Ciranda dourada
Gravata arrumada
Céu ensolarado
Mãos abraçadas
Dança adocicada
Sorriso folgado
Abraço salgado
Suor derramado
Adeus, meu soldado!
Lágrimas embaraçadas
Pétalas despedaçadas
Olhares perdidos
Destino bandido
Sussurro azedo
Crepúsculo pesado
Caminho ladrilhado
Solidão trilhada
Euforia acabada
Fitas bordadas
Lavadas, levadas
Vento despido
Sagaz e corrido
Jogou-a sentada
Madame Macedo
Sozinha, gerando
Amando, amargurada.

Um comentário: