15 junho, 2013

Passarinho

Desculpe-me, corri...
Sou ave presa
Nasci em cativeiro
Não sei o que é voar
Tenho medo de cair
Sinto-me livre, estando preso.
Tenho medo do alto
Minhas asas são podadas
Desculpe-me, larguei-te.
Meu coração pequeno me engole
Prometo que um dia voarei
Não olharei o que me cerca
Só verei as nuvens
Buscarei loucamente por ar puro
Livrar-me-ei disso aqui
Não me sufocarei mais
E a noite passada esquecerei
Era o medo, no ar.
Não queria isso, socorra-me.
Planejei o inimaginável
Quebrei tudo, sofri.
Agora não passa de uma ilusão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário