30 dezembro, 2013

Me declaro: Eterno Amante

Ah, Doces Palavras...
Venham quando quiser.
Venham como quiser.
Façam de mim Papel,
Sejam Estrela Guia
Ou Cadente, caiam...
Dopando-me hoje.
Dopamina doce,
Ao sangue vermelho
Correndo quente.
Se façam de oxigênio
Mantendo-me vivo,
Forte e lúcido para
Usá-las nos momentos
Mais inesperados:
Na alegria, na tristeza,
Na saúde, na doença,
No sufoco, na liberdade,
Na vida, até a morte.
São meus votos.
Toda minha garantia de
Fidelidade Eterna a
Qualquer oportunidade
De depositá-las no papel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário