14 janeiro, 2016


Pudera eu ser louco e livre
para cobrar qualquer loucura
daquelas que me dominam.
Quisera eu que o amor bastasse
mas a única coisa que é (foi?)
é justamente o contrário,
totalmente insuficiente
e por si só não é acolhedor,
apenas se faz arrebatador.
Leva tudo de qualquer jeito
envolve corpo, mente e alma
mas é sozinho sempre,
é incompleto mesmo recíproco,
insatisfaz o mais apaixonado coração,
pois nem só de amor viverá o homem,
mas de toda gentileza que o acompanha,
da serenidade que o permeia,
de cada detalhe que o complementa
e o enche, infla, fortifica e explode,
num êxtase maluco de puro tesão,
pois os olhos que se encantam
se veem descrente com sua pobreza
quando não cultivado com destreza
o amor se afoga num mar sem fim
de seus próprios ideais